POR QUE EMPREGAR O TERMO “PACIENTE”? REFLEXÕES.

Por que empregar o termo “Paciente”? Reflexões

Atualizado em 09/06/2021
Por Aline Albuquerque

Por que empregar o termo “Paciente”? Reflexões

Atualizado em 09/06/2021
Por Aline Albuquerque
Junte-se a milhares de pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Por que empregar o termo “Paciente”? Reflexões

Aline Albuquerque Norbert Elias ao tratar do tema do envelhecer e do morrer, aponta para o afastamento dos jovens em relação às pessoas idosas, enquanto um ato de resistência à ideia do seu próprio envelhecimento e mortalidade[1]. Na mesma direção, Byung-Chul Han formula o conceito de “sociedade da positividade”, e que nessa, a “dor é vista como um sinal de fraqueza” e se busca o prolongamento da vida a qualquer custo, como resultante de uma visão “positiva”.[2]  

O paciente é aquele que vivência a fragilidade humana em sua expressão mais significativa, pois a doença impacta todos os âmbitos da sua vida, provocando mudanças inesperadas e profundas. Assim, o termo “paciente”, que decorre do verbo latino “patior” e significa sofrer ou aguentar, expressa as condições concretas em que um paciente se encontra, como a de vulnerabilidade acrescida[3], e os sentimentos que o invade, como os de insegurança, de incerteza e de medo.

O termo “paciente” evidencia a situação real pelo qual uma pessoa enferma passa, ressaltando a sua dor e, eventualmente, a finitude da sua vida. A escolha por outros termos como “cliente”, “usuário” ou “consumidor” para expressar uma condição humana tão profunda e existencial se mostra, como aponta Byung-Chul Han, uma tentativa de endossar a “sociedade da positividade”, na qual “a passividade do sofrer não tem lugar na sociedade ativa dominada pelo poder”[4]

Particularmente, em relação ao termo “cliente”, embora, no passado, possa-se ter sido usado para se afastar a conotação de passividade que estaria presente na palavra “paciente”, atualmente, verifica-se que “cliente” é  amplamente empregado na relação entre o consumidor e uma empresa. Dessa forma, tratar o paciente como “cliente” é impregnar de sentido consumerista e econômico uma relação essencialmente humana, mitigando o sofrimento atrelado à enfermidade e conferindo-lhe uma positividade, desprovida de conexão com a verdade.

A participação e o engajamento do paciente em seu cuidado são desejados e devem ser promovidos por profissionais e sistemas de saúde. Mas, o fato de se entender que o paciente é um sujeito ativo do seu próprio cuidado, não afasta o reconhecimento da sua vulnerabilidade acrescida e da dor, física ou psíquica, que se encontra presente naquele que busca um profissional de saúde. Essa dor decorre da sua enfermidade ou do sofrimento psíquico gerado pela fragilidade ocasionada pela sua condição. 

Conclui-se que o termo “paciente” evidencia a condição verdadeira da pessoa enferma, cujo cuidado em saúde consiste em técnica, mas também em um dispositivo apto a construir uma narrativa para a sua dor. Por fim, uma reflexão com base nas palavras de Theodor W. Adorno: “a necessidade de deixar o sofrimento se tornar eloquente é condição de toda verdade.”[5]


[1] ELIAS, Norbert. A solidão dos moribundos. São Paulo: Zahar, 2001. 

[2] HAN, Byung-Chul. Sociedade paliativa: a dor hoje. São Paulo: Vozes, 2020. 

[3] ANDORNO, Roberto. Dignity in Psychotherapy. In: The Oxford Handbook of Psychotherapy Ethics (Oxford University Press). Edited by Manuel Trachsel, Jens Gaab, Nikola Biller-Andorno, Şerife Tekin, and John Z. Sadler. 

[4]HAN, Byung-Chul. Sociedade paliativa: a dor hoje. São Paulo: Vozes, 2020. 

[5] Apud HAN, Byung-Chul. Sociedade paliativa: a dor hoje. São Paulo: Vozes, 2020.

Por que empregar o termo “Paciente”? Reflexões

Aline Albuquerque, aqui no Blog.
Professora do Programa de Pós-Graduação em Bioética da Universidade de Brasília. Coordenadora do Observatório Direitos do Paciente da Universidade de Brasília. Pesquisadora Visitante na Universidade de Oxford. Pós-doutorado pela Universidade de Essex. Doutorado em Ciências da Saúde. Autora dos livros Bioética e Direitos Humanos, Direitos Humanos dos Pacientes e Capacidade Jurídica e Direitos Humanos. Membro da Sociedade Brasileira para a Qualidade do Cuidado e Segurança do Paciente. Membro do Comitê Hospitalar de Bioética do Grupo Hospitalar Conceição e do Comitê Hospitalar de Bioética do Hospital de Apoio de Brasília. Membro do Redbioética da UNESCO.

O que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários sua opinião sobre: Por que empregar o termo “Paciente”? Reflexões.

1 Comentário

  1. Gian

    Interessante, porém paciente, cliente e usuário traz reflexões carregadas de estigmas. Geralmente o enfermo não é paciente e sim impaciente. Acho muito importante ressignificar esse nome, visto que o ser humano dar muito valor e peso as palavras. Alguma sugestão mais humanizada dra Aline?

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

close-link
Share This