Quem tem medo da palavra “PACIENTE”?

Atualizado em 30/05/2022
Por Aline Albuquerque

Quem tem medo da palavra “PACIENTE”?

Atualizado em 30/05/2022
Por Aline Albuquerque

Quem tem medo da palavra “PACIENTE”?

Aline Albuquerque

Muitas pessoas, inclusive profissionais de saúde, têm medo da palavra “paciente”. Querem substituí-la por “pessoa que vive com a condição X”, “usuário”, “cliente” e outras tantas que a imaginação permitir.        

Paciente, em sua etimologia, vem do latim “pati” e do grego  “pathé”, ou seja, de sofrimento ou padecimento.[1] Como se pode notar, o termo “paciente” indica uma condição humana de fragilidade inerente. Todos nós somos frágeis e sofremos ao longo das nossas vidas, a condição de paciente apenas expõe de uma forma contundente os limites do corpo humano e a finitude da vida. Ser paciente é uma condição singular, pois altera sua relação consigo e com o mundo, interfere na sua rotina e muda seus planos de vida. Pode-se dizer que é uma condição radical, principalmente se envolver uma doença ameaçadora da vida.

Não usar o termo “paciente” é negar a fragilidade humana e a experiência única de viver com uma determinada enfermidade. Desejar igualar o paciente a uma pessoa que não experiencia a doença em seu próprio corpo e não foi abalada emocionalmente, como um usuário do serviço de telefonia ou o cliente de uma loja de departamentos, é empobrecer a experiência humana, inexoravelmente imbricada com a dor, o sofrimento e a dependência do outro. 

É lamentável que se dissemine a ideia de que o empoderamento, a ativação, o engajamento e a participação do paciente tenham relação com a negação da sua condição única de experienciar viver com uma enfermidade. Ao revés, o que dá força ao paciente para participar ou se engajar em seu cuidado é o reconhecimento da sua fragilidade e da necessidade de apoio, o que na nossa sociedade costuma ser visto como “fraqueza e passividade”. Negligenciar a condição particular do paciente implica não o apoiar e deixar de promover a sua autodeterminação. 

Diferentemente do que se divulga, o termo “paciente” não guarda relação com ser submisso, mas sim com o padecimento humano implicado na condição de estar enfermo e vulnerável. E reconhecer essa condição é o primeiro passo do caminho do engajamento e do empoderamento do paciente. Usar termos como “usuário” ou “pessoa que vive com a condição X” é um recurso eufemístico que retira a força do modo de se nomear alguém como paciente, condição com uma singularidade inigualável, mormente quando implica uma doença grave e incurável. 

Triste ver que vivemos, como define o filósofo atual Byung-Chul Han, na “sociedade da positividade”, que busca se desonerar de toda forma de sofrimento. “A passividade do sofrer não tem lugar na sociedade ativa dominada pelo poder”.[2]


[1] NEUBERGER, Julia. Do we need a new word for patients? BMJ. 1999 Jun 26; 318(7200): 1756–1758. 

[2] HAN, Byung-Chul. Sociedade paliativa. São Paulo: Vozes, 2020.

[

.

 

Quem tem medo da palavra “PACIENTE”?

Aline Albuquerque, aqui no Blog.
Professora do Programa de Pós-Graduação em Bioética da Universidade de Brasília. Coordenadora do Observatório Direitos do Paciente da Universidade de Brasília. Pesquisadora Visitante na Universidade de Oxford. Pós-doutorado pela Universidade de Essex. Doutorado em Ciências da Saúde. Autora dos livros Bioética e Direitos Humanos, Direitos Humanos dos Pacientes e Capacidade Jurídica e Direitos Humanos. Membro da Sociedade Brasileira para a Qualidade do Cuidado e Segurança do Paciente. Membro do Comitê Hospitalar de Bioética do Grupo Hospitalar Conceição e do Comitê Hospitalar de Bioética do Hospital de Apoio de Brasília. Membro do Redbioética da UNESCO.

O que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários sua opinião sobre: Quem tem medo da palavra “PACIENTE”?.

1 Comentário

  1. GabaBrazil

    O ácido gama-aminobutírico (GABA) é um aminoácido, um tipo de produto químico em seu corpo que é importante para manter você saudável e manter seus sistemas corporais funcionando corretamente. A principal função do GABA é trabalhar como um neurotransmissor inibitório, o que significa que ele bloqueia mensagens enviadas entre as células nervosas e o cérebro ou a medula espinhal. Especificamente, GABA bloqueia certos sinais nervosos no cérebro para reduzir o medo, a ansiedade e o estresse. Sem o nível correto de GABA no corpo, condições como distúrbios de ansiedade podem se tornar piores. https://ptmedbook.com/o-que-e-melatonina/ Funcionalmente, o GABA é incrivelmente importante. A falta de GABA deixa seu sistema nervoso central com muitos sinais neuronais e causa condições como epilepsia, convulsões ou distúrbios de humor. Enquanto isso, GABA em excesso significa não ter atividade cerebral suficiente e pode levar a hipersônia ou sonolência diurna. gaba 200mg para que serve

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Share This